Make your own free website on Tripod.com

Iscas Vivas

Na Praia:

  • Por experiência de pescadores de beira de praia, o camarão descascado ainda representa a melhor opção na captura de peixes, sendo o seu uso muito bem aceito não só pela sua resistência, mas sua praticidade e facilidade de compra.

  • Ao comprar o camarão, escolha sempre o fresco (novo) e que se mostre consistente para a pesca de arremesso, assim como o seu tamanho adequado para o tipo da pescaria (barra leve, média, pesada).

  • Ao chegar à praia, encontrando outros pescadores, procure saber a isca utilizada e os peixes que estão sendo fisgados, isso pode lhe ajudar.

  • Procure informações junto a moradores locais, sobre o tipo de peixe da região e a isca comumente utilizada.

    Algumas iscas para a pesca de praia além do camarão:

  • Corrupto: habitante de todas as praias do Brasil, muito fácil de achar, bastando olhar os orifícios que ficam na areia, quando do refluxo da agua do mar. Usa-se para tirá-lo da areia, uma bomba de sucção muito popular nas casas de pesca de litoral. Essa isca serve para todos os tipos de peixe de pesca de praia.

  • Minhocas de Praia: não são encontradas em todas as praias, mas apenas em algumas no Brasil. Vivem em barrancos de areia fofa e podem ser capturadas com pequenas enxadas. São boas iscas para corvina e papa-terra.

Dicas:

  • Procure, ao máximo, conservar as iscas bem acondicionadas, no gelo enrolado em jornais para evitar que queime-as e sempre que puder evite o acúmulo de água.

  • Manter as mão limpas e livres do cheiro de óleos (protetor, bronzeador, etc.), repelentes, nicotina de cigarro ou outra substância que produza forte odor, pois isso, no final, pode fazer diferença em pegar ou não o peixe.

  • O tamanho da isca tem que ser proporciomal ao tamanho do anzol. Para anzol pequeno, corte as iscas com uma tesoura, para que não tenham farpas.

  • Existe no mercado um material chamado "elastricot", que é um fio elástico em que é possível amarrar a isca ao anzol com extrema facilidade, impedindo que com o arremesso, a isca venha a cair ou facilitar a sua soltura pelo beliscar constante dos peixes.

 

Em Costões:

  • Tatuí : Vive nas areias das praias. Aparecem na praia quando existe o refluxo da maré. Para colocação no anzól, sua casca deve ser removida.

  • Baratinha de Pedra: são espertas e rápidas, devem ser capturadas com as mãos e transpassadas nos anzóis uma única vez para manter seus movimentos. Boa isca para pampos, marimbás, sargos e outros peixes de costões.

  • Mexilhão : sua carne macia, facilita a vida dos peixes ladrões de iscas. Para evitar isso, deve-se costurar a isca no anzól.

 

Nos pesqueiros:

  • Escargot: muito utilizado por pescadores experientes na pesca de Pacus e Matrinxãs.

  • Minhoca: bastante eficácia na obtenção de Tilápias e outros peixes.

  • Bichinho de Laranja: eficácia na obtenção de Tilápia.

  • Aranha: uma boa isca para pesca de bagres.

  • Minhocuçu, Caranguejo e Lesma: eficiente para Pesca de Pacus.

 

No Mar:
 

  • Camarão, Sardinha e Lambari: eficiente para a maioria dos peixes.

  • Lula : São boas iscas e a rigidez da carne torna difícil para os peixes roubarem a isca. São mais apropriadas para pesca de fundo em alto mar. Olhete, olhos de boi e caranhas gostam dessa isca viva.

 

Em Rios:

  • Tuvira : é um peixe que vive sob vegetação aquática, em alagados e corixos. Muito usada na pesca do pintado e dourado. Tem boa durabilidade em cativeiro, desde que sua àgua seja trocada todos os dias e conservadas na sombra e em lugares frescos. Algumas pedras de gelo dentro do recipiente onde estarão as tuviras é uma boa idéia para ajudar em sua conservação e durabilidade.

  • Pirambóia : muito usada para pesca de pintados, jaús e dourados. Também serve para pacú. Tem melhor desempenho em àguas limpas. Assemelha-se a pequenas cobras. São bastante lisas, devendo ser manuseadas com luvas, panos ou bom-bril. São boas iscas também porque são extremamente duráveis, podendo sobreviver até um mês sem comer.

  • Minhocoçu: excelente para pesca de pacú, jaú, pintado, dourado, mandí, jurupesém, jurupoca, armaus, etc ... Existem dois tipos de minhocoçu : os paulistas, que medem em torno de 30 cm e os mineiros, que em medem em média, 50 cm. Para se manterem vivos, precisam ser conservados em caixote de madeira com terra de sua origem. Dessa forma podem durar até um mês ou mais.

  • Timboré e Curimbatá: são excelentes iscas para pintados e dourados.

  • Bicho da Sêda: uma boa isca para pacús.

  • Caramujo: habitante das lagoas, vivo ou morto, é uma excelente isca para alguns tipos de peixes, principalmente a piapara e o pacú.

  • Minhoca: é a isca universal dos rios e lagoas. Todos os peixes gostam de minhoca, principalmente os pequenos como lambarís, piaus, piavas, mandis. Um bolo de várias minhocas no mesmo anzol, também dá bom resultado para peixes maiores como o dourado, barbado, pintado e até "pequenos" jaús.

  • Lambari: é uma excelente isca para vários peixes como o dourado, jurupoca, jurupesém, mandí.

  • Escargots: são semelhantes ao caramujo, porém mais limpo e mais higiênico para usar. É menor que o caramujo e pode ser usado com a casca, que é crocante. Pode ser conservado em caixa de papelão com algumas fôlhas de alface e dura longo tempo vivo. Boa isca para piau, piapara, piava, pacú, tambaquí.

  • Caranguejo: é encontrado à noite nas praias quando saem para comer. São excelentes iscas para pacús.