Make your own free website on Tripod.com

Fly no Pesque-e-Pague


As minhas incursões aos pesque-e-pague são feitas com a intenção de testar alguma tralha nova e também de pescar. Eu sempre observei como os clarias ou bagre africano, como são mais conhecidos, ficavam subindo a superfície e colocando para fora d'água seus bigodes como que para pesquisar a superfície do lago. Com a experiência adquirida em pescar tilápias e pacus com uma isca feita de pêlos de cervo, em formato de "bolinha", que imita a ração usada para alimentar os peixes, passei a tarde toda tentando fisgar os bagres sem sucesso. Já ao escurecer, os clarias começaram a sugar a isca e pude então fisgar vários exemplares, como o da foto. Mas a maior surpresa ainda estava por acontecer.

Certa noite, tentando capturar mais algum bagre, algo diferente entrou na isca. A "pegada" foi uma explosão na superfície com imediata corrida lago a fora. Pela entrada na isca e a corrida rápida eu sabia que não era um bagre, então era o quê? Cinco, dez, vinte, trinta minutos e nada. O peixe continuava a lutar e nesse meio tempo todas as possibilidades de descobrir a espécie já tinha sido esgotadas. O animal continuava a nadar sem parecer cansado, mas o pescador aqui já estava ficando suado e mais do que curioso.

O material que eu estava usando naquela noite era uma vara de fly número 6, carretilha com freio à disco, linha WF flutuante e líder de 9 pés com ponteira de 10 libras de resistência. Dá para imaginar que esse material num pesque-e-pague seria mais do que suficiente para acabar logo com qualquer briga, mas naquele momento, o peixe não dava a mínima para o líder de 10 libras.

Uma hora, uma e meia, duas horas !!! Então, as coisas começaram a ficar um pouco mais fáceis. Mais quinze minutos e finalmente o peixe é colocado dentro do puça pelo meu amigo e para surpresa, era um tambaqui e dos grandes. Após isso, fomos a balança eletrônica e ela acusou 10 kg e 10 g, cerca de 22 libras (cada libra corresponde a 0.4536 kg).

Para minha felicidade o tambaqui gostou da minha isca de pêlos (Hair Ball).

Jonas Duarte